domingo, 21 de setembro de 2008

A pergunta agora é: "Quem será o próximo?"

Crise em mercado financeiro mundial, é sinônimo de pânico e união em países desenvolvidos, resta-nos aguardar que injeção de ânimo entre bancos através de bilhões de investimentos de bancos norte americanos e chineses causem alívio na crise mundial. Máteria interessante, resalto o Diário do Comércio uma excelente ferramente de leitura.
A pergunta agora é: "Quem será o próximo?"
Problemas de liquidez dos bancos causam pânico.
Pânico é a melhor palavra para descrever o sentimento de investidores e analistas ao redor do mundo ontem. Existe grande temor de que uma crise generalizada do sistema financeiro, com quebras de instituições em um efeito dominó, já esteja em curso – apesar dos esforços dos bancos centrais de vários continentes, que tentam garantir a liquidez das operações bancárias. A pergunta, agora, não é se essa crise vai se prolongar, e sim "quem será o próximo a quebrar?"

Essa catástrofe anunciada fez as bolsas desabarem em todos as partes do mundo. O índice Dow Jones, da Bolsa de Valores de Nova York, referência para as outras bolsas, despencou 4,06%. Em São Paulo, a continuidade da saída de estrangeiros, que buscam ou cobrir prejuízos no exterior ou ativos mais seguros, a bolsa tomou um tombo de 6,74%. O indicador fechou a 45.908 pontos – nível de 2 de abril do ano passado. Apenas em setembro, as perdasNelson Almeida/AFP Photodo Ibovespa chegam a 17,5%. Desde o início de 2008, a desvalorização atinge 24,1%. Na Europa, a situação não foi diferente, com quedas em Londres (2,25%), Paris (2,14%) e Frankfurt (1,75%).

Mais vítimas – A deterioração nos mercados de crédito fez mais uma vítima ontem: desta vez, uma instituição britânica. A Halifax Bank Of Scotland (HBOS), maior financiadora de hipotecas do Reino Unido, fechou acordo de fusão com o também britânico Lloyds TSB. Aos olhos dos investidores, sinal claro de problemas financeiros ainda desconhecidos. Nesse ambiente, não faltaram especulações nos dois lados do Atlântico. Na Europa, o Swiss National Bank (banco central suíço) emitiu nota afirmando que está em negociações com o UBS AG para oferecer suporte ao gigante bancário. A nota do SNB desmente uma anterior, do porta-voz do UBS, negando os mesmos rumores.

Nenhum comentário: