sábado, 16 de maio de 2009

INVERNO E PALAVRAS...

Sabe. Pensei muito nesta semana, por sinal longa demais, agitada como sempre e reflexiva. E por conta não sei se do sonho que me deixou pensativa (demais) longe de tudo e todos chamando a atenção de alguns, a perguntar porque estava distante daquele jeito. Devagando literalmente em plena luz do dia. Rindo sei lá do quê. Longe. Distante. Sei lá. Não descarto nada, nenhuma hipotese de que é necessário acontecer algo, ainda que inusitado e estranho, como um sonho. Para assim refletir acerca de tudo a nossa volta. E descobri algo. Eu posso voltar a amar o inverno, mais do que o verão (que amo,amo,amo), a primavera (maravilhosa) deixando cheirinhos de flores desabrochar bom da vida, outono uma prévia suave daquele que esfria algumas coisas. Hoje um frio daquele e a primeira em tantos e tantos anos não estou um pingo, uma gota, nada triste. Uma liberdade absurda dentro de mim, espaçosa, larga, desnundando o que lutei durante anos e anos para acontecer. Pode demorar mas você consegue desabrochar, viver, sonhar e acordar para o que espera de alguma forma (sem saber) espera por você. Muito bem, estou dando passos largos em direção ao novo, ao belo, ao simples e ao sabor da vida. Um caminho a fazer mais sentido do que o simples fato de existir neste mundo. Não vou estender porque você não entenderia, afinal são pensamentos e reflexões minhas. Então por anos de sono,tristeza e solidão dou boas vindas a estação que outrora me fez a pessoaa mais feliz do mundo. Talvez, por isto a odiei, porque assim como me deu, me tomou na mesma medida de intensidade no vigor da estação. Mas para quem conheci a felicidade não deixa-la adentrar é loucura, porque assim como Ferreira Gullar descreve lindamente minha Metade (ou Traduzir-se) alegro-me e gozo diante do maior espetaculo de todos.A vida. E só para lembrar....seja bem vindo Inverno...com toda força, vigor, vida porque ainda no inverno se vê lindamente o Sol, se vê pássaros voando livre e alto. Hoje optei em não ir ao programa pago e elaborado a tanto tempo, por mera vontade de não querer sair, não querer mar de gente, não querer talvez pessoas que não gostam tanto assim de mim como aparenta. Por não querer falar, mas apenas apreciar o inverno, arrumar as coisas e dançar a música mais sensual do cd do James Blunt, faixa 3, música Carry You Home, presente amado e enciumado da minha mãe, ganhado por seu marido. Dançando do jeito que sei, braços pro ar, sorriso largo e safado, pra lá e pra cá na cozinha, no meu quarto em frente ao espelho. Tudo do jeitinho que sei fazer, saindo lá fora e sentindo o ventinho no rosto, ainda com ar gelado do dia frio, e uma liberdade tremenda. Querendo e sonhando acordada com momentos que ainda ei de viver. Pegar na sua mão, cheirar seu pescoço, brincar com a boca na sua e no rosto, mexer com você e adentrar na blusa, na jaqueta e dizer "tá frio vou me esquentar em você", abraça-lo forte e forte e beijar o tanto que puder, quiser e aguentar. Porque metade de mim é amor,e a outra metade...também..amar , sem metades, sem pedaços, sem percalços, sem meios. Apenas e apenas tudo por inteiro. E digeri tudo no decorrer da semana, lembrando de tudo o que ocorrera dos 2 anos e meio pra cá e vamos combinar. O inverno está aí. E pode (vai) ser a estação mais linda do ano, se não em 2010,2011...por fim todas. Por que nada me prende ou impede de amar novamente o Inverno. Então. Posso pedir perdão? Ou apenas desculpas? Por odia-la e despreza-la. Apenas para dar às boas vindas a estação linda e amada outrora. Então..Seja bem vinda estação do amor, dos amantes, dos desejos, dos corpos, dos mundos, dos abraços, dos cheiros, dos beijos (...) Seja bem vindo Inverno!

Um comentário:

Bruno L.S disse...

Finalmente de volta a alegria.
Que bom! Fico eliz em saber que está aberta a felicidade e ao amor.
De cá estamos torcendo por você.
Desejando toda felicidade.

E dançando no quarto em frente ao espelho é fogo hein! Na cozinha então, isso é coisa de doido mesmo.
Graças! Somos mesmo e ainda sim felizes com o pouco ou nada que temos.

Beijão miguxa.