quinta-feira, 25 de junho de 2009

DESABANDO-DESABAFO

Foi tão difícil. E como foi. Não a semana ainda nem acabou, mas estou pedindo a Deus que acabe logo. Uma segunda-feira tão difícil, tão complicada e tão surpresa, creio que posso defini-la deste modo. E percebo tanto ao meu redor, tanto a ser feito, mas sem ânimo, sem esperança para algumas coisas. Houve despedida, alguém que foi bacana, ensinou muito do que sei hoje, trabalhamos durante uns 5 anos mesmo departamento. Uma relação de respeito com alguns acessos de estresse, palavras e palavras duras e sim, apesar dos pesares gostava dele. E pensei muito na segunda de manhã, também chorei muito. E de repente como num flash olhei onde estava e fitei os olhos nele arrumando as coisas, separando caixas, esvaziando gavetas e passaram-se 22 anos desde que entrara ali. É uma vida, dedicada a concretos, telefones, dinheiro, estresse, dia-a-dia alimentando os bolsos para no dia seguinte ficarem vazios, como se recebesse em saco furado. Isso vale a vida de um homem? Levar tanto tempo dedicando-se algo, tantos atrasos para encontros com a familia, finais de semana de plantão, horas a mais na manhã, chegando muito cedo saindo tarde demais, alimentando-se pouco pq a correria é grande...e isso vale uma vida de 22 anos?

Quando de repente alguém mais jovem "mais experiente" o chama e em dez minutos decide que você não é necessário ali. Sinceramente às vezes nada faz sentido neste mundo. Mais nada mesmo. Despediu-se pedindo desculpas e um abraço dizendo-me "agora é com você". Quando saiu a sensação não era das melhores, um mal estar, angustia grande e uma vontade de chorar imensa. Pensei rápido, liguei pra Ca , a única pessoa em quem (no momento) tenho tanto apreço e carinho, q entende cada palavra (das poucas) que saem de mim. Não consegui falar, não saia a voz e chorar foi a única coisa que fiz. Mas apenas sendo consolada por ela lá no metrô com um abraço forte e um choro sentido. Estava chateada por ele, estava chateada e estava chateada por que agora percebo que não tenho amiga, não ali, não aquelas que julgava ter. Alguém que estimo e respeito que sempre estive por perto quando precisou que nunca me neguei a fazer qualquer coisa, demostrou claramente o quanto não me considera, não me respeita e não gosta de mim. Tudo sendo confirmado hoje por uma atitude que deixou bem claro o que pensa a respeito de tudo e todos. Que neste mundo aqui você só vale àquilo que tem, é isso mesmo, que tem e não o que é. Não importa nada além disso e caso você seja diferente, nada convencional, não atenda a expectativas tão esperadas, piorou aí é que você não presta mesmo. Tudo cooperando para que eu deixe de acreditar nas pessoas, por que na verdade sempre acredito que alguém vale a pena, por que ninguém é igual a ninguém. Então não é possível que neste mundo não há um ser humano que vale muito a pena , crer e depositar umazinha confiança.

Embora, seja apunhalada nas costas por pessoas que julgava tão amigas eu não (ainda) desisto de acreditar no ser humano. Não à toa a escolha da profissão, talvez pq acredite de verdade que amontar grana, fama, carreira, sucesso, status..etc não vale minha vida. Preciso de um sentido maior, algo para crer e buscar e no atual momento só entendo que as pessoas "valem minha vida", que tudo pode sim ser diferente, que não posso mudar o mundo pq sou um pingo no oceano, mas posso mudar a vida de alguém que está tão seco, tão sem esperança, tão desacreditado, tão sem nada, não fazendo milagres e contribuindo com um assistencialismo que não resultará em nada, mas sendo um marco em estrada boa, estrada fértil...alguém poderá um dia dizer...uma certa Ana fez diferença na minha vida! Isso valeria muito a pena... o que passo todos os dias, o choro no banheiro escondido no trabalho quando a coisa aperta, o estresse abundante de uma função que me faz um bicho, faz as pessoas me odiarem sem me conhecer, entrar e sair tantas vezes de tantos ônibus, chegar o horário que chego e ainda ouvir minha mãe dizer "Ana isso é loucura, você vai se acabar desse jeito" "pq não faz administração perto de casa já é da area mesmo é melhor assim menina"... choro no banheiro de casa e pra ninguém ouvir o barulho ligo o chuveiro para abafar. E ninguém entende que nunca o muito me fez/faz feliz que o pouco/simples é muito pra mim, mas este pouco tem que fazer sentido.Então vou seguir viagem, dia bem dia não, dia cansada dia não, dia estressada dia não, dia com amigos dia com inimigos, dia feliz dia triste, dia animada dia desanimada, dia sorrindo dia séria dia só e dia só...e ainda ouvindo o maior absurdo como ouvi na segunda-feira de que sou especialista em "roubar" cargo de homens de familia...Uma tristeza enorme ouvir isso! Uma tristeza que não cabia, que só o abraço da Ca acalmou, enxugou lágrimas que não paravam de cair, totalmente inconsolável e com aquele abraço amigo e tão amigo sem querer nada em troca me senti quase no colo. E só tenho que agradecer muito a Deus pela vida da Ca, da Samy que logo tb partirá, da Dê que foi embora também nestes dias e deixou uma saudade enorme. É sempre assim...alguém sempre vai embora e fico sempre sozinha. Já estou me acostumando. Já quase não sinto dor, apenas no começo depois com dias e dias, meses e meses vai passando, sendo anestesiada.

E nesses pensamentos, lembrando como foi difícil aquele dia fui embora, sendo surpreendida no finalzinho da noite....mas só para relembrar q tratou-se de uma coincidência...e que elas acontecem o tempo todo, todos os dias com milhares de pessoas neste mundo. Já ando descendo a escada pq fiquei muito tempo nas nuvens.... sonhando acordada com o que nunca aconteceu...

2 comentários:

Frederico Carvalho disse...

Faz alguns dias que visito seu blog,fui atraído por sua foto no blog coletivo. Um pouco surpreso por alguém tão jovem falar tanto da tristeza,quase querendo arrancar flor do deserto,infinidade de perguntas do ser e finalmente alguém que tenho afinidade no ser. Somos parecidos,algumas crises,tristezas e frustrações não deixaram seguir viagem e estou viciado em ler seu blog. Não divido minha loucura,mas caso queira ler me avise informando seu e-mail para compartilhar nossa angústia de existir. Peço desculpas por comentar sem ser convidado.

Ana disse...

agradeço o jeito de menina e rosto de anjo.é fofo dizer isto.Percebi que gosta dos livros do Foucault, estou lendo "Microfísica do Poder" indicação da minha prof de Filosofia, um achado, leitura "carregada" mas interessante/boa.

Já com a tristeza é o meu jeito de esgota-la(em mim), gasta-la o máximo do máximo, a maioria esconde ...eu não exponho e a jogo nas palavras....sendo assim não me pertenci mais.

jovem demais? não...não...ela não escolhe idade acerta qualquer um q está em seu caminho.

...