sábado, 1 de agosto de 2009


"Escrever é gritar sem barulho"
.
.
.

Marguerite Duras
.



Até os dias de hoje jamais li tal definição para o ato de escrever. Fiquei totalmente em êxtase...(claro não esquecendo tb de muitas definições certas e precisas da dona Clarice Lispector.), encantada com parte de sua história, Marguerite Duras venceu meu desdém em não prestar uma atençãozinha ao tão comentado filme.


Sim, agora assisto Hiroshima Meu Amor. por saber que...

Marguerite esperava e resistia. Escrever era a maneira de suportar as dúvidas, a revolta, o medo da morte, a solidão, o amor, o silêncio. Como a própria escritora definiria mais tarde, "escrever é gritar sem barulho". Marguerite gritava em páginas e páginas de seu caderno Presses du XXe siècle com uma escrita corrida e apertada, com a urgência de quem precisa se fazer ouvir.

Mistos de diários, anotações de trabalho, relatos curtos de ficção, desabafos e narrativas autobiográficas, os cadernos são parte do arquivo pessoal da escritora.

O romance de 1984, vencedor do prêmio Goncourt, o mais importante da literatura francesa, é o livro mais famoso da escritora. As mesmas memórias afetivas da Indochina se desdobram em outras obras, como a ficção O Amante da China do Norte e o roteiro de Hiroshima, Meu Amor.

A unidade do livro se faz pela linguagem intimista e a maestria das palavras que caracterizam o estilo da escritora, que nunca quis ter seu nome associado a nenhuma corrente literária. Para Marguerite, a literatura não aceita rótulos ou fases e sua matéria-prima é apenas uma: a própria vida do escritor.

Fonte: ACSP - Associação Comercial de São Paulo.
Por:Heci Regina Candiani - 30/7/2009 - 20h22
http://www.acsp.com.br/

Sim, agora corro atrás dos livros e filmes...vambora.que essa foi demais.extraordinário.

4 comentários:

Heci Regina disse...

Estava procurando algo sobre Marguerite e o Google me levou a seu post com trechos do que escrevi esta semana para o Diário do Comércio. Fiquei muito feliz por você ter dado o crédito mas, principalmente, porque a matéria fez você se interessar por ela. Obrigada pelos dois presentes. Heci Regina Candiani

Ana... disse...

Querida, nada de agradecer, pois é mais do que merecido, todo crédito e pompa a sua escrita, de tão certa e bela me fez amar a história Marguerite Duras.

Despontou uma curiosidade e interesse imenso. Quero muito assistir a este filme, agora com total sentido...o de saber que parte do roteiro tem algo desta escritora que você apresentou tão bem pra mim.


Agradecimentos e presentes cabe a mim faze-los, devido a excelente matéria.

beijo grande Heci.

Reggae4ever & the Habacuc Co. disse...

Hiroshima, mon amour. Habacuc was here, but disappeared-

Bruno L.S disse...

Hum.
Comentários em inglês, nossa, nossa a moça tá ficando internacional.