domingo, 2 de agosto de 2009

"Love is touching souls"
.
.
Diana Krall

.
.


Não. Não aconteceu nada demais. Nem lá e nem cá. Lá onde estava, na outra cidade maravilhosa, na do Cristo de braços abertos, na cidade de tantas coisas e lugares. Atrativa e atraente, porém, nem tão belíssima como a propaganda televisiva produz.Tudo bem! Admito que tudo lá é bonito, mas, há certo exagero, quando se diz que lá é tudo isso de tão e tão maravilhosa. Como boa nordestina, digo que as praias do nordeste não podem sequer comparar pois lá é beleza fantástica, coisa de louco, de alegrar e encher os olhos de tanta beleza, por saber q Deus criou tudo e fez tudo tão belo. Pois é. Volto às minhas reflexões, mesmo estando lá, conhecendo tanta coisa e lugar e gente e tudo, digo que mais valeu minhas pensativas andanças pelo Leblon, Ipanema e Copacabana.

Colocar os pés na areia, sentir àgua geladinha bater no corpo, aquele vento gostoso e andar me fez um bem. Não pela cidade, gente, lugares, nada disso foi o encontro eu e o mar, mar e eu. Sempre me refugiei nele, quando as coisas não estavam bem, quando a depressão estava a me afogar corria pra ele. Sempre acompanhada da minha velha amiga Bolinha, nossas loucuras em descer pra Santos, Guarujá, São Sebastião, Caraguá, Camburi, Boyssucanga (acho que escreve assim, se não releve), e muitas loucuras de duas pessoas que fugiam de si. Lembro-me como hoje as risadas e trapalhadas que rolavam, dos perigos e das noitadas, amigas e amigas sempre, confidentes até em assuntos mais que intímos e um respeito e amor que transbordava. Sinto saudades. Chega a doer. Por que ela sabia tudo quanto ia em meu coração e aquele desejo de sumir, tirar o sofrimento a qualquer custo, arrancar aquela saudade que a morte trouxe e deixou como marca no meu corpo. Tínhamos os mesmo problemas, embora, com algumas diferenças, a única coisa que sabiamos fazer era fugir pra ele.pra dentro dele.encara-lo de frente e ama-lo como ninguém.O MAR. ele sabia tudo de nós.tudo a nosso respeito. Assim como minha mãe fazia quando moravámos em Caraguatatuba.

Um tempo que jamais voltará, a não ser na mente e no coração em forma de lembrança. Sou muito grata por esses momentos, por conseguir uma mão amiga, uma mão a me tirar do sofrimento. Levando-me ao encontro daquele que bem sabe tudo de mim, aquele grande, imenso, azul,que tem mãos grandes na forma de onda, que tenta me arrastar pra dentro dele, despindo-me, tirando de leve minha roupa, pra contar segredos do infinito...Sempre o busquei. E lá não foi diferente. Acho que precisava disso, de alguns momentos só. E uma semana longe de tudo e todos é quase parar o tempo e pedir arrego a Deus, pedir pausa no tempo. E sentada na pedra ou na areia, ou no mar, ou deitada na areia de todas as formas eu parei o tempo. E fiquei ali, quieta, parada e em silêncio ainda que alguns interrompendo o silêncio dizia " não olhe muito o mar não moça, se não ele leva"...a única coisa a sair foi um riso e um pensamento quase "suicida", seria bom que ele me levasse, me deixasse em seu leito, no fundo, onde ninguém o conheceu e mostrasse uma cidade imersa, escondida e proibida. Onde não existisse outra função além de ser feliz e livre.

Nosso encontro foi bom. Foi prazeroso e voltei melhor do fui. Bem melhor. Sabendo de coisas (de mim) que ainda não sabia, apenas desconfiava.Hoje, mas exatamente hoje, às 23:15, sei que não dói mais. Que há muito o deixei onde deveria estar, no passado, todos os anos de sofrimento, de lágrimas, de domingos e domingos a chorar uma saudade que não suportava, a depressão quase me vencendo, doenças, fragilidade, loucuras, solidão, vazio foram mais q demostrações de que ele foi o homem a quem entreguei parte de tudo que era eu, meu amor. E nada como assumir isto. Nada como dizer que eu o amei, mais do pude ou imaginei. Acha tolice? Não não é. Ele era especial, cheio de defeitos como qualquer um, mais especial. O mais simples, corajoso, alegre que conheci, que tinha o sonho de ser ator, cantor, dançarino. Que não tinha talento para trabalhar no batente, fábricas, no pesado, que se dedicava as artes sem saber que era. Dizia que ao negro não cabia esse trabalho, que se esforçava tanto, mas o branco que levava as honras. Que pena! Mal sabia ele que anos mais tarde, os negros ganhariam tanto espaço, inclusive de palcos, como cantores e dançarinos ou atores e até a cadeira da presidência de um país, não na verdade uma potência.... é...mas ...não deu tempo.

Foi numa apresentação, num palco que o vi pela primeira vez, ele estava dançando e fazendo uma pequena participação como ator, peça que contava vinda dos negros, a escravidão...etc. E foi neste dia, e em outros que ele olhou pra mim. Olhou e olhou pra menina sem graça e nada bonita que era do interior, quieta e tímida. Tente entender...não dá. Eu sei disso. Jamais alguém entenderia. Só eu.e eu. Tente não ficar mal se alguém que vc ama e que mostrou o outro lado da moeda se for. Alguém que convenceu a pensar em casar (pois desde pequena, nunca quis casar), dizendo que tudo tinha seu lado bom, que ele fazia bom esse lado e que não precisava temer. Que baixinho dizia..."agora vc é minha, eu achei e não a deixo mais" que segurava forte minha mão ensinuando "não precisa ter medo" que enfrentava tantas dificuldades quanto eu, mas que estava sempre ali, segurando minha mão. Sendo mais velho (apenas 8 anos de diferença) era menino que precisava de colo de vez enquando e minha mão pra ensinuar "não tenha medo, estou aqui"...

Agora tente não ficar do jeito que fiquei se faltando apenas três meses para se concretizar algo que você a muito esperava...esse alguém dar seu adeus, fechar os olhos pra sempre...tente...tente...tente não ficar do jeito que eu fiquei, tente sobreviver.tente viver.tente..EU DUVIDO que se saia melhor do que eu. Tente ter apenas 17 anos e viver tudo isso. Tendo 17 anos e já sendo velha por que tudo pra você aconteceu precoce demais.tente.tente e tente. Não dá não é. Não consegue.......Mas eu consegui....e não consegui sozinha.Deus foi o primeiro a me ajudar a estender às mãos e dizer..."calma Ana...eu estou aqui", a minha mãe a segunda e tanta e tanta gente que passou por mim nestes 10 anos. E tanta e tanta coisa.Um encontro com o mar, mais um encontro no masp com 18 anos.E o reencontro aos 28 anos, no dia 18/07/2009 há 25/07/2009 no mar.

E perguntaram qual o motivo do brilho nos olhos...alegria sem sentido...sorriso tímido...e leveza no andar...Se teve alguém? Se beijei alguém? Se fiquei? nesta semana, a resposta é NÃO. Por que existem encontros q devem ser feitos por vc mesmo sem a presença de alguém. só e só vc mesmo. Este encontro foi sozinho e não teve companhias, embora tivesse convites, cantadas bem dadas, flertes certeiros e safados, bom papo, conversa fiada de que "tô apaixonado" (ahhaha os cariocas são bons no chaveco e na mentira), simplemente não quis...aqueles momentos, aquela semana era minha e só minha. e ninguém iria atrapalhar. Hoje, penso que foi o melhor a fazer, embora estivesse com um sentimento grande de falta, uma saudade imensa que não consegui traduzir.Sei lá mil coisas. Alguns tapam o sol com a peneira e ensiste em resolver-se atracado com alguém, se metendo na noite e se dando pra alguém que nem conheci. Desculpe. Respeito.Mas digo que não resolve, por que houve um tempo que fazia isso,ficava com um aqui e ali pra tentar me resolver me achar. SÓ QUE ISSO NÃO RESOLVE.NÃO DÁ. Volte mais vazio do que foi. Acho e penso que ninguém mereci pouco. Ninguém mereci metades. ninguém é lixo pra engolir resto.Pelo amor de Deus. será que é difícil se entender.Entender seu corpo.ouvir sua voz...seu espírito enquieto.Não acho que não é. Existem aqueles que se deixam enganar.e continuam a se enganar sempre pois não enganam ninguém a não ser a eles próprio. Não me engano mais.

E desde 2007, senti uma necessidade absurda de não me enganar mais. Não mentir pra mim. Não tapar o sol com uma peneira que mal cobria as restas de sol...já não dava mais para aguentar. Já desde o inicío de 2007 terminei um relacionamente que era pura aparência. pura mesmice, pura enganação pois se quer tinha previsão de tentar algo de verdade. Logo depois sendo surpreendida com algo que não entendi, e não entendo até hoje. Que pra mim não tem definição e é mal resolvido até o talo. Mas sei lá. ou está mais q resolvido e eu não me dei conta... Assim como ninguém mereci metades, creio que eu também não. então...vou deixar onde e como está. Em silêncio.

Por que já estou resolvida, me encontrei e percebo, aquele amor antigo grande foi necessário, afinal nada é por acaso, foi lindo enquanto durou, foi tudo o que jamais imaginei viver um dia.Mas acabou.Já não tem nada dentro de mim.Eu já não o amo mais.Revelando que o maior inimigo do amor é o tempo e ausência. Nada resiste tanto tempo ( 10 anos) sem sequer tocar, sentir, ver...é quase loucura não deixa-lo apenas na lembrança...no passado. Fiquei assustada e apavorada por saber que meu coração estava com espaços demais. agora eu era livre e não sabia. Era feliz e não sentia. Estava viva e não percebia. Ele o dono dos meus pensamentos por muito e muito tempo, desde "menina" com 16 anos já não era dono de nada em meu corpo, coraçao, mente e pensamentos. Agora era uma lembrança (forte) de um passado doce e amargo... havia espaço demais...Agora, hoje, desejando ser ocupado...mas sem pressa...de chegar, de vir...de andar. Agora seria o espaço a ser preenchido...o vazio.delicadamente sendo rabiscado por algo especial...


...agradeço a Deus de toda alma.por ter tido esse encontro e essa semana que foi muito abençoada. agradeço a oportunidade do encontro com o mar. que conseguiu achar a Ana que havia se perdido...tendo se achado deseja..."Love is touching souls"...



.hoje eu gritei bastante... sem mover os lábios.sem fazer barulho.

4 comentários:

Bruno L.S disse...

Tenho um ciúmes quando fala dessa tal de "bolinha", a tá lambendo demais hein!
E fico mais feliz em saber que este sentimento já não existe.Engraçado Ana, mas desde o começo desde ano de 2009 senti que algo iria mudar em sua vida. Mas não conseguia entender essa sensação. Por isso não falei nada. E ainda tenho essa sensação de que algo de bom está por vir. E não estou com o santo ou pomba no corpo não, não sou adivinho.Apenas tenho convicção de que coisas boas acontecem a pessoas boas. E você...
Porra meu! O que falar de você.Tenho muito a dizer, a comentar, a elogiar,...são muitas qualidades.Desejo sorte.

SAUDADES!

Bruno L.S disse...

o Frederico, nunca mais comentou? Não vi um recadinho sequer. Pobre homem, também da outra vez você o ma tratou. Coisa feia fazendo pouco caso do leitor.
O pobre se escafedeu.
Viu só! Você não acredita quando digo que você espanta os homens.
E também não acredito que não pegou ninguém, vai ser mole assim no inferno.
Vai guardar essa porra e a terra é quem vai comer?
O bom da vida é dar, dar e receber.
Adoro essa lei da natureza, é dando que se recebe.kkkk

Ana... disse...

Não estou lambendo não!
E deixa de frescura!!!!


E não espanto ninguém não, e creio que não fui mal educada ou grossa, não sou disso...

E vc viu coisa q não existe, ele foi apenas gentil em comentar..só isso...

vá...vá... digo eu...oxi

Ana... disse...

ahhhhhh...quanto ao "pegar" alguém....como disse ....sou tão a favor de "pegar" e "pegar forte e bem" alguém que vale a pena...

alguém que queira o mesmo ...q esteja na mesma "pegada"...os de lá...não queriam "pegada"...queriam trepada...transada...não sinto (ainda)a necessidade de bicho ....pra fazer assim......entãoooooooooooo...

nada como se reservar né mesmo (isso pra MIM )....e fim de papo.

a terra comerá no tempo oportuno.