sexta-feira, 11 de setembro de 2009

PAUSAR, MICHEL FOUCAULT

.
...Como exlicar isto? Não será que, de modo geral, o sistema penal é a forma em que o poder como poder se mostra da maneira mais manifesta? Prender alguém, mantê-lo na prisão, privá-lo de alimentação, de aquecimento, impedi-lo de sair, de fazer amor., é a manifestação de poder mais delirante que se possa imaginar. (...)Michel Foucault - fragmento página 72 - cap.IV

.
Simplesmente fui obrigada a pausar a leitura e a marcar. Lendo, não, na verdade devorando Michel ao pouquinhos, bem mais adiante encontro-me na página 124 pois o homem é complexo demais no pensamento, reflexão e filosofia brilhante, uma análise posta p/ repensar e/ou rever se vale à pena nossa "passiva prisão", no sistema mais falido que o homem já construiu. Detalhes mais adiante, não hoje. Apenas, pausar para chamar a atenção para a delicadeza e gentileza do pensador em usar a expressão "fazer amor", ah por favor! Isto mereci um delírio feminino que admira gestos como estes. E desde quando os homens dizem , falam fazer amor? Ainda mais um brilhante, renomado, intelectual? Um filósofo dizer isto? Seria normar ler, sexo, transar, ato sexual etc...Agora fazer amor? Isso é novo. É...fiquei chocadamente feliz ao ler. E penso... Acho que os homens às vezes, ou quando querem, sabem arrancar diversos suspiros de uma mulher e deixa-la repensar certos (pre)conceitos, um tanto machista e antigo. Neste caso minha total parcela exposta, meu antigo machismo para esta expressão. Foi uma beleza só!

Nenhum comentário: