domingo, 16 de maio de 2010

Dos livros que li, quando estava de férias de mim e do mundo. Existe isso? Se não existe acabei de inventar. É quando se está tão fora de sintonia de tudo, que por mais que queira, não consegue ficar no eixo, no lugar da vida comum de todos os santos dias. Mas que diacho estou a dizer? Eu sou frágil é isso. Escondo a fragilidade nessa pose de durona.

Desde Janeiro um crescimento absurdo. Daqueles bem rápidos, que costuma envelhecer por dentro. Ás vezes acho que tenho uns 20 anos a mais. Me sinto uma personagem de Mia Couto, a intrigante Temporina. Só que ao contrário. E o que isso tem com os livros? Tudo. Foi minha distração nos últimos meses. Só posso dizer que cada vez mais gosto de livros e adquiro mais e mais. São descobertas incríveis.

Dentre, Machado de Assis e essa Helena sofrida. Será que Maneco leu este livro? Não sei. Mas há traços semelhantes entre as Helenas. Nunca sei como termina as histórias de Machado, e mesmo quando penso ser não é. Muito esperto, no esconde esconde. O que aparentemente é, (dedução do leitor), não é, vira julgamento precipitado. Julguei Helena dissimulada, e às vezes interesseira. Estácio, a beira de um "crime", o desrespeitoso, imoral e abominável incesto. Principalmente para a época. Um amor impossível de ser. Mas sabe que eu torcia mesmo assim? Para um fim feliz, o que nunca acontece nas histórias de Machado. Nunca. Fale que é ridículo, eu não ligo. Mas eu chorei com o fim. Tristíssimo, trágico, infeliz até o talo. Lia o final, quase que engolindo as palavras, desesperada pelo fim-feliz. Sai do metrô entregue a leitura (como faço com todos os livros), frustrada. Triste Helena.

A imagem, algo de Dom Casmurro (da Globo), lembro agora que não li Dom Casmurro. Embora tenha o livro, dou preferência para outros, comprei um livro com Várias Histórias, cheio de contos. Ainda estou para ler. A imagem, eu gostei tanto. Então peguei emprestado para Helena e Estácio.E adoro mãos. Beijar mão é delicado demais.Coisa que não aconteci mais, delicadezas é raridade nestes tempos...


Mas tudo isso para que mesmo? Só para dizer que fui a virada cultural (que lixo!), falarei a respeito depois. Mas lixo? Sou exagerada, digamos que tinha cositas bacanas. Hoje acordei tarde e tenho algumas coisas da faculdade para fazer, além de preparar algo para comer. Meu almoço é janta no fim de semana. Eu nunca almoço cedo. Isso era melhor quando minha mãe estava em casa, agora então, isso desembestou numa falta de horário para quase tudo. Cada coisa tem acontecido. Meus dotes culinários (risos), estão a flor da pele. Me poupe me economize, vai cozinhar ruim lá na pequepê!

Graças a Deus meu irmão não tem viajado pela empresa e ultimamente tem ficado em casa. E mais do que isso, tem cuidado ( do jeito dele) de mim. Desde acompanhar na volta da faculdade (trecho sujeito a assaltos) e esperar para jantar. Oh, sim! Ele cozinha muito, um homem prendado. Enquanto isso ouvindo caetano-circuladô. E vou embora às 17:36 desse finalzinho de domingo. Quer saber pq gosto de horários? Bom, conto noutra oportunidade...

Nenhum comentário: