domingo, 20 de junho de 2010

.
Acordei.

Deitado na areia. Tentando proteger a cara dos pingos grossos da chuva. Rua.

Barulho de rua. Pessoas. Carros.

Buzinas. Gritos. Eu.
.


Meus sapatos. Meus óculos. Levantando devagar. As chaves, os documentos, uma Foto 3x4. Todos os objetos intactos.

Oco. No peito. Oco. Meu coração furtado.
.





Por ser mulher e sentir no espaço entre o piscar dos olhos

tudo que se passa no seu coração, ela apenas diz

que o ama e põe o rosto dele,

ainda frio da rua, entre seus seios quentes.


.

.

Rodrigo Levino - livro: Aos Pedaços
.
.
.

Um comentário:

LILIAN BORGES POESIA disse...

DANADO DE BONITO ISSO AI MEU!!!