segunda-feira, 30 de agosto de 2010

O mar foi, aos poucos, tornando-se transparente-Woolf V

.
O Sol ainda não nascera. Era quase impossível distinguir o céu do mar, mas este apresentava algumas rugas, como se de um pedaço de tecido se tratasse. Aos pouco, à medida que o céu clareava, uma linha escura estendeu-se no horizonte, dividindo o céu e o mar. Então o tecido cinzento coloriu-se de manchas em movimento, umas sucedendo-se às outras, junto à superfície, perseguindo-se mutuamente, em parar.

Quando se aproximavam da praia, as barras erguiam-se, empilhavam-se e quebravam-se, espalhando na areia um fino véu de água esbranquiçada. As ondas paravam e depois voltavam a erguer-se, suspirando como uma criatura adormecida, cuja respiração vai e vem sem que disso se aperceba. Gradualmente, a barra escura do horizonte acabou por clarear, tal como acontece com os sedimentos de uma velha garrafa de vinho que acabam por afundar e restituir à garrafa a sua cor verde. Atrás dela, o céu clareou também, como se os sedimentos brancos que ali se encontravam tivessem afundado, ou um braço de uma mulher oculto por trás da linha do horizonte tivesse erguido um lampião e este espalhasse raios de várias cores, branco, verde e amarelo (mais ou menos como as lâminas de um leque), por todo o céu. Então, ela levantou mais o lampião, e o ar pareceu tornar-se fibroso e arrancar, daquela superfície verde, chispas vermelhas e amarelas, idênticas às que se elevam de uma fogueira. Aos poucos, as fibras da fogueira foram-se fundindo numa bruma, uma incandescência que levantou o peso do céu cor de chumbo que se encontrava por cima, transformando-o num milhão de átomos de um azul suave. O mar foi, aos poucos, tornando-se transparente, e as ondas ali se deixavam ficar, murmurando e brilhando, até as faixas escuras quase desaparecerem. Devagar, o braço que segurava a lanterna elevou-se ainda mais, até uma chama brilhante se tornar visível; um arco do fogo ardendo na margem do horizonte, cobrindo o mar com um brilho dourado.

A luz tinge as árvores do jardim, tornando, primeiro, esta folha transparente, e só depois aquela. Lá no alto uma ave chilreou; seguindo-se uma pausa; mais abaixo, escutou-se outro chilreio. O Sol definiu os contornos das paredes da casa, e, semelhante à ponta de um leque, um raio de luz incidiu numa persiana branca, colocando uma impressão digital azulada por baixo da folha da janela do quarto. A persiana estremeceu ligeiramente, mas lá dentro tudo se mostrava fosco e inconsistente. Cá fora, os pássaros cantavam uma melodia sem sentido.


Romance: As Ondas. Tradução de Lucília Rodrigues

retirado daqui : http://www.virginiawoolf.wordpress.com/page/2/
Eu bem queria este livro. Acabei comprando "Os Atos", estou gostando menos do que deveria. Talvez pela quantidade de personagens, como não sou boa em gravar lembrar nomes fica uma leitura lenta e acaba se tornando até tediosa. Mas vamos lá, ainda não terminei, no final tudo dá certo, pelo menos é o que dizem.

Nenhum comentário: