domingo, 20 de março de 2011

Hoje, se me perguntam levou?, eu digo, esqueci. E esqueci porque fui ver filme antes, arrumar o cabelo, ficar uma hora tomando banho quente. É a primeira vez na vida que não quero morrer e vou ser feliz primeiro, antes de qualquer outra obrigação. Descobri que Deus é meu pai. Não tem isso que peço que não alcanço. Antes não pedia, era tão bacana, tão educada, eu, sem ter onde cair morta e fazendo mesura, bancando a rica com Deus.Puxa vida! Minha vida tinha de ser mesmo a tristeza que foi. Só operações fiz sete. Agora que sou ruim, até em vestido drapeado, que fiz pela primeira vez, Deus me ajudou. Não deu um defeito, o dinheiro veio a tempo de eu saldar meus compromissos, até vídeo cassete ganhei no meu aniversário, apanhei saúde.Tem que pedir, pedir é reconhecer pobreza.

Adélia Prado - Livro - O homem da mão seca - fragmento [pg.68]

Nenhum comentário: