terça-feira, 19 de julho de 2011

Também quero. mas se possível sem dor. Ana Cristina César


olho muito tempo o corpo de um poema

até perder de vista o que não seja corpo e sentir

separado dentre os dentes um filete de sangue

nas gengivas


.

(Ana Cristina César)



Nenhum comentário: