domingo, 15 de janeiro de 2012




" O tom lembra um desses programas de TV onde expõem e se exploram mazelas pessoais e familiares. É a violência de favela, de mãe que espanca, do social que exclui e que retorna sobre nós, ou é a nossa própria violência que encontra uma saída de expressão assistindo a cena e tendendo a não agir, não pensar, não representar, não interpretar?

.

(Isabel S. Kahn Marin)



Li algumas notas a respeito do ato na Cracolândia, negativas por sinal, citação desse ou daquele usuário, mas pautando o ato como dispersador da localização dos usuários ou conivente ao uso de crack. Não admira, tendo em vista que em nenhum momento salientaram o foco do ato, lembrar as autoridades de que a população não está alheia ao problema e exige medidas cabíveis, concretas e pautadas nos direitos; a saúde (tratamento deve estar incluso na saúde), a moradia (afinal sendo pessoa em situação de rua é praticamente impossível não ser viciado em alcool ou drogas), e aos direitos básicos, política de qualidade elaborada e empregada por quem trata as questões socias de forma coerente, justa as necessidades e demandas desta população. A política implantada não serve, é negadora de direitos é violenta. E mesmo com número relativamente pequeno de manifestantes, tendo em vista a cidade de São Paulo sendo a metropole mais populosa da América Latina, o foco do ato era este, lembrar as autoridades que não concordamos com a ação, medidas, que em nada nos contempla. Em nenhum momento foi dito, escrito que estaríamos ali para que os usuários deixassem de usar crack, não temos varinha mágica! Uma pena a mídia escrota não saber disto ou não querer divulgar da forma correta. E se conto números me garanto por um, a fala do senhor de cabelos brancos dizendo que o ato servia para lembrar que eles não estavam esquecidos,mesmo sendo tratados feito lixo, existiam pessoas que se importavam. Ah sim, com pessoas (eles), com políticas (ineficientes! requerendo outras), com autoridades (incompetentes) e políticos ineptos! Não sobrará um, quando todos perderem a p#rr# da paciência!

E Folha de SP, com esse vídeo postado (por que está bonito), até sonho/acredito que um dia, no reino tãoooooo distante, torne-se jornal de esquerda. Atá, sonhar não paga (ainda).


PRESTE ATENÇÃO A ÚLTIMA FALA,
DROGA DROGA E DROGA DE VOTO!


Nenhum comentário: